Eu tinha feito os meus planos, tinha minha rotina, o meu emprego e estava tudo correndo bem. Alguns dias eram de correria, outros mais tranquilos. Eu tinha a companhia dos meus amigos, me divertia com eles, criando histórias que provavelmente iríamos nos lembrar com carinho dali a alguns anos. Não tinha pretensão nenhuma. Eu não procurava ninguém. Era aquela fase da vida em que a gente só quer coisas simples e boletos pagos. Eu não tinha alguém me esperando chegar do trabalho pra ouvir como foi o meu dia, ou pra conversar sobre os detalhes sobre mim que ninguém mais queria ouvir. Até que você apareceu. A gente nunca imagina quando vai encontrar alguém que nos tire do comum. E que graça teria se a gente soubesse?

Você me pegou distraída. Eu nunca tinha olhado pra você daquela forma. Não tinha percebido o brilho daqueles olhos castanhos ou como seu sorriso era encantador. Mas naquele dia… Em meados de dezembro, e eu lembro como se fosse hoje, algo mudou. A segurança que eu senti ao segurar a sua mão e a calmaria que havia em seus olhos mexeram comigo. A cada mensagem trocada naqueles primeiros dias que se seguiram, era inevitável não me envolver. Foi inevitável me apaixonar.

Veja bem, eu nunca fui de colocar expectativas. E eu dizia a mim mesmo que não era pra levar a gente a sério. Entretanto com o tempo, e tudo o que você ia me dizendo, aos poucos eu fui me entregando. Todos os momentos ao seu lado ganharam uma importância surpreendente. O apoio que você me dava era tão reconfortante. Você me fez sentir como ninguém.

Eu queria um final diferente pra nossa história, mas não dá. A gente foi se perdendo um do outro, em meio há tantas brigas e todas as idas e vindas. Eu me apeguei a esse amor a ponto de esquecer os seus erros e mentiras. Acreditei nos seus pedidos de desculpa. Acreditei que você se importava comigo na mesma recíproca. Eu me contentei com o pouco que você me dava. Me tornei algo que jamais imaginaria só pra te manter aqui. Só pra que você ficasse um pouco mais. Mas não havia um lugar pra mim na sua vida, não igual ao que você ocupava na minha.

Perguntas sem respostas me assombraram por muitas noites. Demorei pra encontrar as respostas. Tive que entender que você prometeu mais do que poderia me dar. E que eu me permiti passar por tudo isso porque me deixei levar por toda aquela ilusão que criei sobre você. Entendi que, às vezes, não há grandes motivos pra se apaixonar por alguém. Mas que quando estamos frágeis, isso facilita. Sua oferta de amor foi o que eu precisava naquele momento, porém não era suficiente pra uma vida inteira. E ainda bem, pois aprendi que a gente aceita o amor que acha que merece. E você nunca mereceu.

Leave a comment

Sobre o Autor

Tentando sintetizar o mundo em palavras desde 1997. Nasci na cidade maravilhosa, mas sou do mundo. Em constante descontração. Praticante do deboísmo e levantamento de garfo. Protagonista de romances tragicômicos. Colecionadora de sorrisos. Casada com a liberdade. Nômade que deixa rastros em abraços. Mistério que se desfaz depois de uma boa conversa acompanhada de um bom vinho. Em busca de equilíbrio, amor e paz. Tentando chegar ao nirvana do foda-se.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz
Close